localizador vehicular gps tracker rastreador gsm gprs sms programa para espiar cualquier tipo de celular gratis here link here vendo celular espia free blackberry messenger spy app como espiar el whatsapp de alguien mas est espiar celulares 2013 i spy books for android programa espiar whatsapp spy descargar press site
 
06 junho 2018 por Publicado em: ensaio 7 comentários

Graciliano Ramos afirmava com toda a coerência que sempre cercou sua vida pública e privada, em anos da ditadura Vargas: “Como a profissão literária ainda é uma remota possibilidade, os artistas em geral se livram da fome entrando para o funcionalismo público”. Também pudera: “Vidas Secas” teve uma primeira edição de trezentos exemplares em 1938; a segunda, de mil, só saiu em 1947 e uma terceira demorou mais cinco anos para ocorrer. Para sobreviver, ele escrevia pela manhã, era inspetor de ensino à tarde e, à noite, editor do “Correio da Manhã”.

Assim como Graciliano, a maioria de nossos escritores detestava tanto a ditadura Vargas quanto o fascismo, mas recebiam dos cofres públicos por serviços prestados. O Ministério da Educação era comandado por Gustavo Capanema que tinha como chefe de gabinete ninguém menos que Carlos Drummond de Andrade, no mesmo período em que este escrevia o poema “A Rosa do Povo” (“Este é tempo de partido, tempo de homens de partidos”). Drummond disse, posteriormente, justificando-se: “Existe uma diferença entre servir uma ditadura e servir sob uma ditadura”.

Capanema, por outro lado, e sob a influência de Drummond, nomeou como inspetores federais para o ensino público: Graciliano Ramos, Manuel Bandeira, Marques Rabelo, Murilo Mendes, Henriqueta Lisboa e Abgar Renault. Quem ganhou com os intelectuais destes quilates, nomeado para postos-chave no ensino, foram a infância e a juventude do Brasil.

Para a presidência do Instituto Nacional do Livro, Capanema trouxe Augusto Meyer. Para a Biblioteca Nacional, Sérgio Buarque de Hollanda!

O Serviço do Patrimônio Histórico Nacional, projeto elaborado sob a consultoria de Mário de Andrade, recebeu como diretor Rodrigo Mello Franco. Todos eles, reconhecidamente, intelectuais de esquerda, quando não membros do Partido Comunista.

O novo prédio no Rio, onde seria instalado o Ministério de Educação e Cultura, teve contratados para detalhamento do projeto realizado pelo francês Le Courbisier, os arquitetos Oscar Niemeyer e Lúcio Costa. Os murais desse edifício, um clássico do modernismo, foram pintados magistralmente por Cândido Portinari.

O tristemente famoso pela censura aos meios de comunicação e às artes de um modo geral, o Departamento de Imprensa e Política, o DIP, possuía seus próprios veículos de comunicação. Enquanto a redação de um bom jornal oferecia um salário médio mensal de oitocentos mil réis para um editor, o órgão governamental pagava por “apenas” cinco laudas escritas seus cem mil réis. Não fica difícil entender por que Graciliano Ramos, José Lins do Rego, Vinicius de Moraes, Érico Veríssimo, Mário de Andrade, Manuel Bandeira, Carlos Drummond de Andrade, Gilberto Freyre, Murilo Mendes, Tristão de Athayde, Adalgisa Nery, dentre outros, escreviam para as publicações oficiais.

O DIP editava uma revista denominada “Travel in Brazil”. Para dirigi-la contratou a intelectual modernista Cecília Meirelles.

 

O poderoso DIP ainda dispunha de verbas para “neutralizar” a imprensa dita livre. Pagava subsídios mensais a esses veículos publicitários, sob a forma de verba de propaganda. Os nove grandes jornais da época, que recebiam noventa por cento dessa verba, ofereciam empregos estáveis ou bicos para um grande leque de escritores e jornalistas, dentre eles: Antônio Callado, Otto Lara Rezende, Francisco de Assis Barbosa, Franklin de Oliveira, Moacyr Wernerck de Castro, Prudente de Morais Neto, Otto Maria Carpeaux, Mário Pedrosa, Ruben Braga e Álvaro Lins.

Controlada pelo DIP, a Agência Nacional com a sua “A Voz do Brasil” teve por redatores Lúcio Cardoso e Clarice Lispector.

Quando foi lançada pelo Estado Novo a “Revista de Cultura Política”, ela reunia diversos intelectuais das mais diferentes tendências político-ideológicas, como Nelson Werneck Sodré, Marques Rabelo, Luís Câmara Cascudo, Herberto Salles, Guerreiro Ramos, Peregrino Junior, Prudente de Moraes Neto, Giberto Freyre e Brito Broca.

Por outro lado, o Corpo Diplomático do Estado Novo teve a servi-lo intelectuais do quilate de João Cabral de Mello Neto, Guimarães Rosa, Vinicius de Moraes e Ribeiro Couto.

A fazenda pública criou o Imposto de Consumo (o pai de nosso ICMS). Por sua probidade, o escritor José Lins do Rego foi nomeado inspetor.

 

Na maioria dos casos, a natureza da colaboração não se confundiu com cumplicidade ideológica ou adesismo ao fascismo. Antônio Cândido, assim como o fizera Graciliano Ramos, separa de modo claro os intelectuais que “servem” daqueles que se “vendem”. Quase sempre os nossos escritores e intelectuais se integravam na máquina governamental na condição de “funcionários subalternos das superestruturas”, no dizer de Sartre. Eles não tinham o poder de definir políticas públicas e nem de formular premissas ideológicas.

Ao contrário daqueles intelectuais, outros como Azevedo Amaral, Cassiano Ricardo, Almir de Andrade, Menotti del Picchia e Francisco Campos, normalmente originários do “Grupo Modernista da Anta”, identificaram-se ideologicamente com o Estado Novo e com o fascismo, participando, aí sim, de sua sustentação doutrinária.

 

Após a derrocada do Estado Novo, o Partido Comunista Brasileiro ganhou legalidade. Uma grande parte daquela intelectualidade nele ingressou. Citaremos os mais emblemáticos como:

Escritores e jornalistas: Graciliano Ramos, Jorge Amado, Aníbal Machado, Astrojildo Pereira, Álvaro Moreyra, Moacir W. de Castro, Caio Prado Junior, Dyonélio Machado, Jacob Gorender, Dalcídio Jurandir, Aparício Torelly, Pedro Motta Lima , Osvaldo Peralva.

Artistas Plásticos: Cândido Portinari, Di Cavalcanti, Carlos Scliar, Djanira, Pancetti, Campofiorito, Giorgi, Abelardo Hora, Israel Pedrosa.

Dramaturgos e atores: Oduvaldo Vianna, Dias Gomes, Joracy Camargo, Mário Lago e Eugênia Moreira.

Maestros e músicos: Francisco Mignone, Guerra Peixe e Arnaldo Estrela

Arquitetos: Oscar Niemeyer e Vilanova Artigas.

Alguns intelectuais, apesar de possuírem o socialismo como ideologia não se ajustaram ao figurino partidário. Mário de Andrade foi um deles. Ele buscou compatibilizar inconformismo com sua desconfiança, acreditando que “o intelectual verdadeiro sempre há de ser um homem revoltado e um revolucionário pessimista, cético e cínico, em outras palavras, um fora da lei”.

Analisando a participação dos intelectuais em nosso passado recente e no século XXI, Carlos Nelson Coutinho enfatiza que não existe uma relação mecânica e direta entre cooptação e ausência de espírito crítico. “Se isso ocorria sob uma ditadura, sob a democracia de hoje, todo intelectual, mesmo cooptado pelo Estado, pode se tiver consciência e um posicionamento de esquerda, adotar posições políticas e estéticas de clara oposição ao “status quo (2004)”. Ainda ressaltava que com o pós- modernismo, irmão siamês do neoliberalismo, ocorre uma despolitização geral da sociedade, e, consequentemente, da cultura: de questionadora de valores, metamorfoseia- se em mercadoria.

Já o filósofo Habermas acena que a “sociedade líquida”, parafraseando Bauman, é tempo de enorme pobreza intelectual. Questionado porque, responde. “O intelectual existe na justa medida em que as pessoas leem. Com a previsível falência da leitura, o intelectual é um ser em extinção.”

Referências:

  1. Lippi e outras, Estado Novo, ideologia e poder. Zahar 1982;
  2. Miceli, Intelectuais a la brasileira, C. das Letras, 2001;
  3. Rugai e outros, Intelectuais: sociedade e política, Cortez, 2003.

Comentários

  1. qua 06th jun 2018 at 22:48

    Sua afirmação abaixo é perfeita e me sinto incluida nela:
    “Alguns intelectuais, apesar de possuírem o socialismo como ideologia não se ajustaram ao figurino partidário. Mário de Andrade foi um deles. Ele buscou compatibilizar inconformismo com sua desconfiança, acreditando que “o intelectual verdadeiro sempre há de ser um homem revoltado e um revolucionário pessimista, cético e cínico, em outras palavras, um fora da lei”.
    abs. Ronaldo

    Responder
  2. qui 07th jun 2018 at 19:07

    Penso que já vivemos a sociedade líquida. Somos um ser em extinção. Transcrevo ,abaixo, para ilustrar, um trecho do posfácio do meu último livro: “Cansei! Cancei de ouvir a minha voz sem eco, de pregar para a surda e absurda multidão do deserto. Ao escrever, escrevo só por teimosia. E se eu escrevesse imbecilidades para tornar a humanidade ainda mais tola e imbecil que já é eu seria lido e entendido? Eu recuso a trilhar por esse caminho fácil e rendoso, mas ignóbil. Prefiro dialogar com o eco da minha voz entre montanhas do que dissiminar a tolice aos tolos. Das poucas pessoas que compram os meus livros, a maioria delas nem chega a folhear as suas páginas. Alguns livros que escapam aos cantos poeirentos e aos mofos da gavetas vão servir de bibelôs nas estantes, sem jamais serer abertos. Como eu já disse antes: cansei.

    Responder
    • Carlos Russo Jr  –  qui 07th jun 2018 at 22:16

      Hugo, concordo contigo. Somos seres em extinção, mas não extintos, ainda.

      Responder
  3. Orlando Sampaio Silva
    sáb 09th jun 2018 at 19:50

    Meu caro Russo,
    Gostei muito do seu artigo, que se funda em pesquisa; muito instrutivo e informativo, principalmente para essa juventude que está alienada, desinformada.
    Eu acrescentaria aos intelectuais da época, o Carlos Drummond de Andrade, que foi chefe de gabinete do Gustavo Capanema no Ministério da Educação, sendo que o Drummond veio a ingressar no PCB e o Capanema era um homem de direita.
    Russo, estou aguardando um endereço postal para que eu possa encaminhar-lhe meu livro “A Vontade de Potência”, no qual passo pela Ditadura Vargas e falo um pouco sobre o tema do seu artigo, como já lhe disse.
    Um abraço.

    Responder
    • Carlos Russo Jr  –  dom 10th jun 2018 at 21:28

      Prezado Orlando, desculpe-me pelo atraso em responde-te. E com o maior prazer que lerei teu livro.
      Meu endereço e Rua Humberto Pietro Peres, 967. Jardim Guaiuba, Guaruja. CEP 11421200.
      Abraços.

      Responder
  4. Renato Martinelli
    sáb 09th jun 2018 at 20:00

    Muito oportuno o seu texto, caro Russo.
    Sobre o tema, nos tempos da ditadura de 64 é revelador as informações recentemente divulgadas pela comissão da verdade na USP.

    Responder
  5. Tais Sarubi
    sex 15th jun 2018 at 0:31

    Caro Russo
    A pagina do seu texto me foi enviada pelo professor do grupo de pesquisa acadêmica que estou frequentando.
    Além de gostar muito do texto, tanto na forma como pelo conteúdo, fiquei surpresa em ver que sou vizinha do autor!
    Abraços

    Responder

Adicionar comentário