localizador vehicular gps tracker rastreador gsm gprs sms programa para espiar cualquier tipo de celular gratis here link here vendo celular espia free blackberry messenger spy app como espiar el whatsapp de alguien mas est espiar celulares 2013 i spy books for android programa espiar whatsapp spy descargar press site

Mês:

julho, 2015

Quem concebeu e desenvolveu pela primeira vez o conceito de Psicologia Histórica foi Ignace Meyerson, polonês de origem judaica que imigrou para a França quando as tropas russas czaristas, em 1905, atacaram a Polônia revoltada. Concluiu Medicina em Paris, com residência em hospitais psiquiátricos.

O ano de 1912 encontra Meyerson dedicado à pesquisa científica no laboratório experimental de neurofisiologia de Lapicque. Somente em 1920 retorna à Psicologia propriamente dita, tendo sido o primeiro secretário da Sociedade Francesa de Psicologia recém formada. O Jornal de Psicologia Normal e Psicopatologia, fundado por Janet e Dumas, passa tê-lo como organizador, e, em 1938, seu Presidente. Meyerson dirigiu uma das maiores revistas científicas da área de psicologia até 1962- durante 63 anos. O Jornal foi um fórum de debates constantes entre as diversas disciplinas humanas, englobando diferentes abordagens na perspectiva do comportamento humano- agrupando a colaboração de historiadores, sociólogos, antropólogos, lingüistas e estudiosos da estética.

Com o advento da Segunda Guerra e a invasão de Paris, Meyerson deixou a Sorbonne, onde substituíra Delacroix na cadeira de Psicologia e incorporou-se a Universidade de Toulouse. Entretanto, esta fase teve curta duração, tendo sido proibido de lecionar por ser judeu. Mesmo assim, fundou com enorme coragem pessoal a Sociedade Toulusiana de Psicologia Comparativa em 1942.

Quando em novembro de 1942, os alemães vieram buscá-lo para envio aos campos de concentração ele já desaparecera. Aos 54 anos incorporara-se ao Exército de Libertação da França, e no dia da libertação de Paris, o Tenente-Coronel Monfort despiu seu uniforme, rasgou sua identidade falsa e negou-se a receber qualquer condecoração ou pensão; voltara a ser Meyerson o professor e estudioso.

Continue lendo

Em: ensaio | Tags:

O teatro de Eurípides, em seu maior momento, reflete a desestruturação social pela qual passa a polis e a democracia grega.

Em seu drama, a loucura que impregnou Medéia, será a companheira do maior dos heróis mitológicos, tomando o lugar do comportamento consciente, racional. “Héracles” simboliza um mundo em ruínas, onde os golpes da sorte e o acaso fraturam a ordem estabelecida. Este Hércules pouco lembra o herói da tradição mitológica que com seus trabalhos tornou o mundo mais habitável. Agora ele é um homem livre, não subjugado pelos deuses, retornando para uma vida familiar ansiosamente esperada, junto ao pai, esposa e filhos.

Mas entre ele e a família interpõe-se Lico, o tirano Tebano, assassino de Creonte, pai de Mégara, esposa do herói ausente, que crendo estar Hércules morto, decidi-se por eliminar toda a família, aqueles que poderiam, um dia, despojá-lo do trono usurpado.

Tiranos não conhecem seus limites e possuem a empáfia tradicional dos hoplitas, guerreiros de posses aristocratas, desprezando aqueles que lutam com arco e flecha. Anfitrião, pai de Hércules ausente, defende a “arete”, a honra do filho contra as infâmias do tirano. Relata alguma das façanhas do filho e diz que “o hoplita é um homem escravo das armas, somente pode subsistir ao combate em formação unida de companheiros bravios; já o arqueiro, posto à distância, resguarda da morte a si e aos outros”. “Na luta, o mais sábio é fazer mal aos inimigos sem escudar-se na tické, na sorte… Teu desejo de matar-nos é filho de tua covardia e eu a entendo, pois os filhos de Hércules possuem os mesmos olhos de Górgona, onde tu vês espelhar a própria morte no futuro… Mas se desejas merecer o cetro que ora deténs, deixa-nos partir”.

Dirige-se, então, ao Coro em pedido de solidariedade. A soberba e a brutalidade de Lico tenta impedir os velhos anciãos de se manifestem e os ameaça: “Recordeis que sois escravos de minha tirania”. Ordena, então, que tragam madeira e que queimem toda a família de Hércules no próprio altar de Zeus, onde haviam buscado guarita.

Anfitrião somente pode aconselhar que “prolonguem o tempo de vida, já que todos os humanos são frágeis… afinal, a luz me é cara e amo a esperança”. Responde-lhe Mégara, esposa de Hércules: “A mim também, velho, mas como esperar o inesperado?”. Anfitrião: “No adiamento dos males há sempre alívio… Pois aqueles que são prósperos o são até o fim, porque todas as coisas se afastam uma das outras; o melhor homem é aquele que sempre na esperança confia: o desesperar é próprio do imprudente.”

Como veremos ao final da tragédia, mesmo a esperança carece de sentido no caos, dado que fatores imprevisíveis e atilados com o acaso comandam o resultado das ações dos homens.

Continue lendo

Em: ensaio | Tags: