localizador vehicular gps tracker rastreador gsm gprs sms programa para espiar cualquier tipo de celular gratis here link here vendo celular espia free blackberry messenger spy app como espiar el whatsapp de alguien mas est espiar celulares 2013 i spy books for android programa espiar whatsapp spy descargar press site

Hoje nos deparamos com uma política antiimigratória desumana dos Estados Unidos, que atinge milhares de famílias de paupérrimos mexicanos, assim como as de diversos países desconstruídos da América Central.

Acontece que, historicamente, existe uma série de fatores que ao mesmo tempo em que propiciaram, por um lado, a riqueza e a pujança da economia americana, por outro atuaram para que a pobreza e a decadência de diversos países se perpetuassem e se agudizassem perante o neoliberalismo triunfante. Estes fatores têm suas raízes em meados do século XIX e chama-se imperialismo.

Acentua com toda a correção Edmund Wilson, autor de “A sangreira Americana” (1961), que os americanos e sua mídia sempre chamaram de imperialismo os avanços sobre os países vizinhos da antiga Prússia, da Alemanha, da Turquia e, principalmente, da antiga U.R.S.S.. “Todavia é-nos difícil reconhecer que somos um país devorador, e que a linguagem que utilizamos é feita para enganar. Se quisermos realmente entender o tipo de papel que desempenhamos, teremos que olhar para trás e tentar ver objetivamente quais foram, no passado, nossas tendências e nossas práticas.”

Mapa do México e U.S.A. -1824

Os Estados Unidos da América iniciaram sua expansão imediatamente após a expulsão dos ingleses. Compraram, logo a seguir, a Louisiana dos franceses e a Flórida dos espanhóis.

No Texas, parcela do território mexicano e sob o domínio espanhol, os norte-americanos iniciaram a invasão colonizadora. Quando o México se torna independente, os U.S. tentam comprá-lo, mas os mexicanos não querem vendê-lo. Os colonos americanos se organizam em milícias e expulsam de suas terras os mexicanos, proclamando a república independente do Texas, que mais tarde se juntaria aos U.S.A..

Continue lendo

Os estudos sobre o fascismo italiano realizado por Gramsci, nos anos 1920, conduziram-no a uma conclusão:

Até mesmo os delitos comuns tinham aumentado assombrosamente com o advento do fascismo, mesmo com toda a brutal repressão por ele aportada. A causa era a da marginalização e perda dos direitos dos trabalhadores nas regiões mais atrasadas da Itália. O desenvolvimento capitalista, com a destruição da democracia, estava organizado não em proveito do povo, mas no das grandes corporações, que haviam financiado a ascensão de Mussolini ao poder.

E com que ferramentas o fascismo se apossara da Itália? Para Gramsci “a primeira liberdade a ser aniquilada e aniquilada da forma mais brutal, não ocorrera com a adoção ou mesmo a promulgação de leis ou decretos, mas com o exercício da violência pura e simples e com o aumento da criminalidade,” fora a liberdade de organização e do movimento econômico dos operários, dos camponeses, dos pobres; depois, a liberdade de opinião e de expressão e nesse barbarismo todo já estava contida- como germe- a essência do fascismo.

E no avanço do mesmo, Gramsci destacou duas consequências: “A primeira é que, quando o fascismo organizou o poder, primeiramente substituiu ou expulsou o velho pessoal dirigente político, tradicional e corrupto”. A segunda, é que o governo arrastou atrás de si, até o fim, uma “trupe de inconscientes, aventureiros e delinquentes”, tão ou mais corruptos que os políticos socialdemocratas tradicionais.

Continue lendo

Nascido em uma família judaica do Bronx, em 1927, Roy Cohn era o único filho do Juiz Albert Cohn, um influente membro do Partido Democrata Americano. Em 1946, Roy formou-se em Direito na “Columbia Law School”, com a idade de 20 anos. Teve que esperar até a maioridade para poder ser admitido como profissional, não sem antes haver tentado subornar o Professor Lionel Trilling.

É verdade que seu seguidor, Olavo de Carvalho, jamais concluiu curso universitário algum, autodenominando-se filósofo; mas isso não importa muito.

Cohn usou suas conexões familiares para fugir do serviço militar e da guerra na Europa, assim como para obter uma posição no escritório do “United States Attorney”, em Manhattan, aos 21 anos de idade. Seguindo indicações e graças às ligações de seu pai Juiz, registrou-se no Partido Democrata, o que jamais constituiu qualquer empecilho para que Cohn fosse apoiado pela maioria dos republicanos influentes de sua época, incluindo dois Presidentes dos Estados Unidos.

Uma vez no “U.S. Attorney”, rapidamente tornou-se assistente do Procurador dos U.S.A. em Nova York, Irving Saypol. E foi como seu assistente que Cohn contribuiu para que um grande número de cidadãos americanos fosse acusado de serem marxistas e de cooperarem com a União Soviética. Um dos primeiros envolvidos na perseguição foi William Remington, um funcionário do Departamento de Comércio, acusado de espionagem por Elizabeth Bentley, formalmente uma desertora da KGB, o que futuramente concluiu-se ser uma mentira plantada por Cohn. Pese a ausência de provas, Remington foi condenado por duplo perjúrio ao não assumir sua ligação com o Partido Comunista Americano.

Cohn também perseguiu ferozmente os onze membros da direção do Partido Comunista Americano, que atuava na legalidade, acusando-os de pregarem a derrubada violenta do governo americano, “a dissolução da família americana”, o que permitiu a aprovação do “Smith Act” pelo Congresso, com enorme prejuízo às liberdades individuais.

Continue lendo

Antes de apresentar prognósticos para o difícil período que se inicia, desejo frisar que entrei para aquela parcelada população, que desde a Revolução Francesa de 1789, denomina-se esquerda por indignação moral e estética, não por conta de raciocínios dialéticos ou por desígnios históricos. Eu o fiz também pelo horror e pelo nojo infinito aos homens que exploram sem limites outros homens, que os manipulam, que os corrompem, que os massacram. Meti-me porque os pobres, os desvalidos me constrangem e doem profundamente por serem considerados socialmente supérfluos, desnecessários, criados pela ganância e pela sordidez daqueles menos de 1% da humanidade que em tudo mandam, que quase tudo consomem, num mundo de perpétuas novidades que simplesmente se dissolvem no ar. Mantive-me para sempre na esquerda por arderem profundamente em minha alma os preconceitos que consideram inferiores  os seres ditos diferentes das normas.

À bem da verdade, mesmo em meus tempos de “maior ortodoxia”, tão distantes, nunca tive crença muito forte no materialismo dialético e menos ainda na inevitabilidade da História, pois em quase setenta anos de vida vivida e algumas centenas estudadas, nada, absolutamente nada, se mostrou inevitável. A previsibilidade é ainda menos preponderante que o acaso. E, para não faltar com a verdade ao que sinto, nem mesmo o progressismo se mostrou sempre benéfico para o ser humano; desde jovem lhe torci o nariz, e creio mesmo que  muitas vezes ele tenha sido, sim, ferramenta para acorrentar os homens à servidão.

Olhando para um passado muito distante, sinto que os gregos possuíam em certa medida graus de humanidade similares e, mesmo, superiores ao do homem pós-moderno. O que se desenvolveu nos últimos dois milênios foi antes de nada a tecnologia, a capacidade do homem de transformar e desfigurar a natureza, em função de seus interesses. Daí que, no meu entender, o sentido da importância do progresso material para mim foi esplendidamente definido por W. Benjamin, quando cotejado com a excelente metáfora do “Anjo da História”, que Paul Klee desenhou no “Angelus Novus”:

“O Anjo da História representa um anjo que parece querer afastar-se de algo que ele encara fixamente. Seus olhos estão escancarados, sua boca dilatada, suas asas abertas. O Anjo da História deve ter esse aspecto. Seu rosto está dirigido para o passado. Onde nós vemos uma cadeia de acontecimentos, ele vê uma catástrofe única, que acumula incansavelmente ruínas sobre ruínas e as dispersa a nossos pés. Ele gostaria de deter-se para acordar os mortos e juntar os fragmentos. Mas uma tempestade sopra do paraíso e prende-se em suas asas com tanta força que ele não pode mais fechá-las. Essa tempestade o impele irresistivelmente para o futuro, ao qual ele vira as costas, enquanto o amontoado de ruínas cresce até o céu. Essa tempestade é o que chamamos Progresso.”

Continue lendo

Talvez nenhum escritor tenha pressentido, ainda no auge da modernidade, o significado de uma realidade que se imporia tempos após sua morte, e que se substancializa de forma dramática nos dias pós-modernos do século XXI.

Em Kafka se faz sentir, com uma intensidade desenhada em Dostoievski, o sentido trágico da vida, sem nenhum Cristo exemplar. O senhor K., personagem sem nome, apenas uma inicial que adota em quase todos os seus escritos, simbolizava o seu sentir só, despersonalizado num universo agressivo e irracional, apenas lógico nos lucros e no poder que a todos se impõe. De onde a absoluta ausência de fraternidade, do individualismo extremado, do consumismo absoluto, que trás apenas conforto imediato e que logo após, se esgota e requer mais e mais. Um mundo em ruínas em que as utopias, a religiosidade autêntica e as ilusões humanistas naufragaram.

O isolamento do homem de seu habitat, as notícias instantâneas (hoje, as mídias sociais), o pavor imediato, o desenraizamento social. Em Kafka já antevemos o ser humano coisificado, desumanizado, de nossa sociedade líquida. Daí a alienação e a brutalidade física e psicológica, o conflito entre pais e filhos, o surgimento de personagens com missões aterrorizantes, labirintos burocráticos e transformações místicas que se aprofundam.

Com isso, a vida privada dos homens médios, da economia à cultura, por perfeitamente enquadrados e passivos, torna-se absolutamente manipulável. São obrigados a consumir o que interessa aos oligopólios.

O capitalismo tardio e a insegurança intrínseca a ele acarretam uma angústia dissociativa, que se mantém graças a permanente oscilação entre o terror e esperança, aliados ao coletivo que atua como rebanho.

Enfim, para Kafka a arte não é um meio para recuperar o tempo perdido (como o fora para Proust) ou desafiar o destino (no caso de Malraux), mas sim, uma descrição objetiva do absurdo. No auge do modernismo ele expressa um humanismo que se revolta, pois antevê um futuro espírito totalitário no horizonte da humanidade.

Continue lendo

Em: ensaio | Tags:

Assim que os olhos da madura Madame de Pompadour pousaram no jovem gravador da corte, uma brusca paixão tomou conta da senhora e ele a fez sentir-se jovem outra vez. Ao primeiro pedido apresentou-o ao rei e fez com que Dominique-Vivant Denon, aos vinte um anos, fosse nomeado Cavaleiro e Intendente das Pedrarias Antigas de Versailles. Este foi o primeiro degrau de uma fortuna que somente fez por multiplicar-se toda a vida.

Mundano culto e esperto, a seguir convenceu Pompadour apresentar-lhe seu amigo, o intelectual mais famoso da época, justamente o grande Voltaire, com o qual desenvolve amizade, e dele se tona hóspede por algum tempo; como recompensa Denon o retrata no quadro “O almoço em Ferney”.

Vivant-Denon, entretanto, sonhava mais alto. Aspirava à bela carreira diplomática. Pompadour intervém outra vez por seu “queridinho” e o faz nomear secretário da embaixada francesa na Rússia.Em Petersburgo, ele se apresenta à czarina Catarina, trazendo no bolso interno da sobrecasaca uma carta de recomendações de Voltaire.

Continue lendo

No dizer de George Steiner “O Grande Inquisidor”, uma lenda contada por Ivan Karamazov a seu irmão Aliocha, é prometeica quanto ao fincar os pés no passado, permitir antever o futuro manipulável da sociedade de massas. Pois a religiosidade utilitária aponta tanto para as recusas de liberdade real nas sociedades modernas e pós-modernas, quanto para formas tão somente exteriores das denominadas “democracias representativas”. Ao mesmo tempo, este capítulo essencial de “Irmãos Karamazovi” prenuncia os regimes totalitários do século XX e que ensaiam sua retomada no século XXI, como o controle do pensamento e o prazer brutal das massas na Revolução Cultural chinesa, nas Danças de Nuremberg nazista, no Estádio de Moscou stalinista.

Na lenda, a aparição do Santo Inquisidor e o retorno de um Cristo redivivo ocorrem na cidade de Sevilha, no auge da repressão do Estado atrelado à Igreja Católica no século XVI.

Ela  segue sendo um sinal de alerta para as recusas de liberdade, para a invasão das privacidades, para as parvoíces hipócritas, para as mentiras, que “viralizadas” milhares e milhões de vezes, passam a ser são tidas como verdades.

Sinaliza também a vulgaridade espantosa da cultura de massas, o consumismo desmedido, os homens que buscam líderes, mágicos ou tiranos, até mesmo pastores religiosos que retirem da mente dos rebanhos as reações de revolta contra as injustiças sociais e a busca por liberdade.

Continue lendo

Em: ensaio | Tags:

O teatro de Eurípides, em seu maior momento, reflete a desestruturação social pela qual passa a “polis” de Atenas, e, nela, a democracia grega, há vinte e cinco séculos atrás. Ao revisitarmos uma de suas mais importantes tragédias, “Hércules”, nos damos conta da semelhança com os dias de hoje, onde encontramos junto à decadência civilizatória e ética, o do retorno dos tiranos aceitos como líderes de sociedades desestruturadas. Tiranos estes que prestam juras e homenagens  a deuses degradados, cuja religiosidade apenas serve aos interesses de dominação.

Eurípedes nasceu na ilha de Salamina por volta de 485 a.C., na mesma época da gloriosa batalha naval travada no estreito de Salamina que livrou os gregos da segunda aventura do Império Persa, que tentava dominá-los.

Sobre sua vida social pouco se sabe, mas a crer nas paródias que autores cômicos como Aristófanes a ele se referiram, Eurípedes preferia o recolhimento, o pensar e o saber às relações sociais mais amplas. Provavelmente o sofista Protágonas e o filósofo Sócrates, de quem era amigo, tenham sido aqueles que mais influenciaram seu pensamento crítico.

Após a vitória sobre Xerxes, sucessor no Império Persa de Dario, a Atenas comandada por Péricles, assumindo a liderança do Peloponeso, passou a exercer um papel imperialista sobre as demais cidades gregas; a cidade enriquece ao mesmo tempo em que vê crescer a perda dos valores éticos na decadência das virtudes cidadãs.

Pois a maturidade de Eurípedes conviveu com a revolta das cidades gregas contra a Atenas imperial, dando origem à longa e destruidora guerra do Peloponeso, onde gregos enfrentavam outros gregos. Pois foi durante a guerra que o poeta escreveu a maior parte de suas peças teatrais, filhas do forte ceticismo do poeta e da sua ruptura tanto com as tradicionais crenças religiosas, como com os valores da decadente democracia grega.

Um dos fatores preponderantes pelo qual Eurípedes desenvolveu um forte espírito antibelicista foi o extermínio que os atenienses realizaram ao derrotar os gregos da ilha de Melos; o fato serviu como substrato de diversas de suas tragédias, onde os vencedores agressores (tal qual os atenienses), são os assassinos e os vencidos, os verdadeiros heróis na defesa da Pátria.

Continue lendo

Em: ensaio | Tags:

Enquanto cidadãos e homens livres constitui nosso dever desmascarar o fascismo e apontar sempre o dedo em riste para cada uma de suas formas, em qualquer lugar onde seus apelos surjam à luz do dia. No Brasil de  hoje, a preservação dos espaços de liberdade transformam-se em tarefas diuturnas, das quais não poderemos descuidar.

General do Exército Brasileiro, Nelson Werneck Sodré, desenvolveu um conjunto de crônicas a partir de “pequenas impressões da vida cotidiana”. Trata-se de “O Fascismo Cotidiano”, escrito no princípio da decadência da Ditadura Militar, em 1976. “O fascismo é uma ditadura terrorista declarada conduzida pelos elementos mais reacionários, mais chauvinistas, mais imperialistas do capital financeiro” e “é peculiar ao fascismo uma tendência para uma transformação reacionária de todas as instituições políticas.”

Também ressalta que: “quando as antigas formas de governo, formalmente democráticas, tornam-se obstáculos para o desenvolvimento do capital monopolista em crise, as elites assumem sua faceta mais reacionária e recorrerem ao fascismo, tal como ocorreu em 1964”.

O filósofo Antônio Gramsci, por outro lado, estabeleceu uma série de critérios necessários para o combate ao fascismo:

  1. Exigência de seriedade no trato da política.
  2. O repúdio das formas superficiais e falsamente populares.
  3. A impossibilidade de se adaptar ao regime de leviandade, irresponsabilidade, falta de sinceridade, ganância e vileza política.

Continue lendo

Em: ensaio | Tags:

Se o Brasil é um dos países mais desiguais e violentos do mundo, um dos principais fatores, que ao mesmo tempo é causa e efeito, é o analfabetismo funcional que abarca um terço da população, enquanto outro terço possui uma alfabetização apenas sofrível. No entanto, a maioria de nosso povo, pese à incapacidade de compreensão de textos com um mínimo de complexidade, é dos mais assíduos “comunicadores” sociais. Praticamente 90% de nossa população vive atrelada ao que se denomina mídia social, prioritariamente através da disseminação de imagens e de mensagens faladas, sendo por esse motivo absolutamente vulnerável à manipulação política e a crer e divulgar aquilo que se convencionou chamar de “fake news”.

Acrescente-se a isso um profundo desencanto com um processo político decadente, corrupto e corruptor, uma enorme revolta e decepção com governos democráticos de esquerda, uma crise econômica profunda que principiou no último governo petista e que produziu uma massa de desempregados, desencantados, precarizados  e esmoleres, algo próximo a quarenta por cento da força de trabalho. Também o princípio do desmonte do Estado que coincide com o segundo mandato de Dilma, reduzindo a capacidade e a abrangência da Seguridade Social, ancorou uma perspectiva de “negar tudo” da população menos assistida e da própria classe média, assim como a busca por um “salvador da pátria”, um “messias”qualquer que ele fosse.

Foi a partir destas bases estruturais e superestruturais que a população majoritariamente elegeu representantes que pregam abertamente a misoginia, a homofobia e que são racial e socialmente preconceituosos. Atrelados a um deus, O Mercado, este estamento político- religioso- policial- militar, que assumirá o poder em janeiro, deseja vincular o Estado a certo tipo de igrejas e crenças, ancorando o exercício da intolerância a princípios religiosos excludentes, toscos e oportunistas.

Continue lendo

Em: ensaio | Tags: